Me siga!

7.7.18

Americano cantando em Português é tão fofo!



Principalmente se esse americano for o seu namorado! Haha...
Eu tenho muito orgulho do Andres, muito mesmo! Eu vejo o esforço que ele faz para aprender a minha lingua. Puxa assunto, acompanha algumas páginas brasileiras e até xinga em português quando precisa (e isso é extremamente engraçado). 

Decidimos gravar esse vídeo porque já é natural para nós escutar músicas no último volume e cantar o mais alto possível, com todo o nosso fôlego, enquanto estamos dirigindo para algum lugar.
E outra coisa é: ele AMA a nossa música! Conhece vários nomes dessa geração da MPB e sempre me agradece por ser brasileira e por estar apresentando tanta coisa nova pra ele.

Como não amar esse cara?

Pode servir de dica também: ele usa um aplicativo chamado Duolingo para praticar português. Mas você pode aprender várias outras línguas nele, inclusive inglês. Ele atribui a maior parte do aprendizado à estar tentando sempre conversar em português, mas ouvir música e praticar nesse aplicativo complementa muita coisa!

Enfim, nos comentários dos vídeos a galera pediu uma playlist com todas essas músicas no spotify. Pois, bem, eu fiz essa playlist:



Mais uma vez, obrigada pelo carinho!

PS: Eu sei que, no post anterior, eu disse que o próximo post seria uma resenha de alguns produtos que comprei por aqui. Esse post furou a fila, hahaha. Mas ainda farei, tudo bem?
1.7.18

De mim para mim mesma

Foto do Ygor (instagram dele)

"Ana Arantes nasceu em Petrópolis, Rio de Janeiro, e vive atualmente na grande cidade de São Paulo. É comunicadora, desenvolve conteúdo para as redes sociais de diversas empresas e viaja o Brasil dando palestras sobre boas práticas nas redes sociais. Escritora de gaveta, relata acontecimentos extraordinários do cotidiano em seu blog e canal no YouTube".

Acho que, quando eu lançar o meu primeiro livro algum dia, a orelha vai ter um texto de apresentação mais ou menos assim. Vocês gostaram? Tava aqui lendo todas as orelhas de todos os livros que tenho porque é uma parte dos livros que eu sempre ignorei. Mas, se eu aprecio uma obra, algo ainda mais interessante que ela deve ser quem a fez, não é verdade?

Por falar nisso, vocês podem me indicar uma boa biografia? Eu também nunca li uma!

Eu estava revirando algumas coisas no sótão da minha casa lá em Petrópolis quando achei um caderno que usei na 5a série do ensino fundamental. Estudava em um Liceu, uma escola pública... adorava aquela escola. Acho que foi uma das melhores que eu estudei!

Enfim, o negócio é que eu encontrei uma redação de 5 folhas, frente e verso, sobre uma casa mal assombrada. Nela, você não conseguia sair por onde entrou ou entrar por onde saiu. Falei até do cadeado do portão principal, que era de prata, mas a chave era de ouro. A história começa quando um grupo de 4 amigos decidem invadir e descobrir os mistérios que habitavam nela.

Vasculhando mais um pouco, encontrei uma pasta rosa que me lembro de ter comprado para guardar pequenos contos que eu escrevia. Decidi comprar essa pasta depois de um conto lindo, porém triste, que escrevi para outra aula de redação. –"Escrevam sobre beijo. Qualquer coisa, o tema é beijo", disse a professora. 

A minha história é sobre uma menina apaixonada, que vive o momento mais difícil de sua vida ao ver seu namorado no leito do hospital após um grave acidente de carro. Luzes piscando, aparelhos apitando, pessoas correndo e, ao dar um beijo nele, o sentia eterno e cheio de vida. Mas ao ser retirada do quarto, ele não resistiu e morreu. O nome da redação era "O último beijo" e eu tentei deixar bem claro que ele terminou a sua vida de uma forma feliz, com um beijo da garota que ele amava.
Uma galera até chorou, era beeeeem brega mesmo!

É engraçado como eu sempre gostei de escrever, mesmo não o fazendo tão bem quanto gostaria. É tipo cantar: sei que sou afinadinha e consigo cantar as músicas da Clarice Falcão, mas eu queria mesmo era ter potência vocal para cantar uma Etta James, por exemplo.

E aí eu tenho essa teoria de que existem várias Anas dentro de mim. Mas uma em especial é escritora. Ela viaja por aí com um caderninho sempre na bolsa, tomando notas sobre tudo: conversas com amigos, com estranhos, conversas de estranhos que passam por ela. Mas a Ana é uma escritora descente, que se preparou para isso! Ela usa um vocabulário rebuscado e ainda consegue ser facilmente entendida. E um dia ela vai lançar esse livro que vai fazer até certo sucesso e ela vai ficar extremamente feliz, talvez até nunca mais parar.

Ah, e ela usa óculos por causa da miopia. E tem uma revisora muito atenta, porque é disléxica (estou aceitando currículos desde já).

Mas essa Ana é a Ana de um futuro que eu imagino ser distante. Ela ainda está adormecida, em um sono bem pesado, e eu sei que acorda-la é difícil, uma tarefa que tem que ser feita aos poucos (tipo quando eu coloco o primeiro alarme duas horas antes da hora que eu realmente preciso levantar, e deixo no modo soneca de 5 em 5 minutos).

Enfim, toquei no assunto porque eu encontrei essas redações enquanto arrumava as malas para vir para Los Angeles. E essa minha mania, meio que natural, de sempre registrar tudo de alguma forma me fez perceber que, nossa! Eu sempre gostei MESMO de escrever, não é? Quando abandonei isso?

A Aninha de 14 anos, que ainda é muito viva dentro de mim, que é louca por McFly e acha que tem mas na real não tem preocupação nenhuma na vida, estaria muito zangada com a Ana de hoje por ter deixado isso de lado!

Mas a Aninha de 14 anos me perdoaria porque estou publicando esse post no Bolas de Meia, o blog que ela criou e tanto ama!



O próximo post será resenha dos produtos que eu comprei aqui. Outra coisa que eu amava fazer na época de Aninha. <3

12.6.18

Faltou café: Explorando Downtown, Los Angeles.


Eu sinto que sou péssima em primeiros encontros. No meu primeiro encontro com Los Angeles, fiquei tão encantada que saí desembestada fazendo vídeo de tudo, tirando fotos de quase nada, e hoje eu sinto que perdi uma sensibilidade que eu tinha para fotografar. Ou talvez eu tenha me tornado mais crítica, o que pode ser uma coisa boa.

Eu publiquei alguns vídeos no YouTube, mas nem metade do que eu produzi está lá. Aliás, tenho tanto arquivo pessoal! E não digo só da minha primeira vez nos Estados Unidos, mas de toda a minha vida!

Eu fiz vídeos da minha chegada, da minha primeira vez no Pier Santa Mônica, tem até a playlist onde estou soltando os vídeos da minha primeira Roadtrip com o Andres. Venha conferir aqui
Mas eu ainda tenho um zilhão de vídeos para postar e já estou aqui de novo...

Certas coisas nunca mudam!


Esse border collie é o Rocky. Não se deixe enganar pelo ângulo, esse bicho é enorme, apesar de ser um nenê ainda. Acabou de fazer 2 anos e adora brincar. Mas detesta humanos. Não chegue perto sem ter certeza que já o conquistou, ele vai tentar te morder. Mas, depois de jogar uma bolinha algumas vezes, você terá o coração dele para sempre!

Eu e Rocky somos a maior companhia um do outro durante a semana, enquanto o Andres trabalha. E a minha rotina aqui não é muito diferente da de São Paulo: acordo, faço café, começo a trabalhar, levo o Rocky para um passeio nas quadras próximas (a.k.a: minha zona de conforto), faço algo pra comer e fico trabalhando até o Andres chegar.

Mas dia desses eu decidir ir além da zona de conforto por um simples motivo: faltou café!

Faltar café significava que eu teria que ir à uma cafeteria ou ir ao mercado, ficar sem café não era uma opção. E, por ironia do destino, eu passo todos os dias em frente a uma cafeteria bem fofa. Já consumimos ali uma vez, os caras que trabalham nela sempre acenam para dar bom dia e, às vezes, puxam um papo e outro.


"Sh*t people, good coffee and cute puppies!"O café No Ghost Bears é pet friendly. Pequeno, tem poucos lugares disponíveis para se sentar, mas o bom mesmo é ficar do lado de fora e bater um papo com a galera. Acho necessário dizer que ele não tem banheiro, mas eles te indicam um, caso precise... hehe. 
Alguns rostos e cachorrinhos já me são familiares, tem gente que eu vejo todos os dias. O clima é muito gostoso e o café é realmente bom. Eu não sei exatamente qual eu bebi, nem olhei o cardápio. Pedi algo doce, que tivesse cafeína e textura mais cremosa. Eles me deram um Latte, não sei se com alguma adição. 

Conversamos sobre o Rocky e sobre como é estar de volta em Los Angeles e eu me senti muito bem em quebrar a minha rotina nesse ponto. Sair sozinha e interagir com as pessoas? Tenho certeza que errei no meu inglês algumas vezes, mas nós nos entendemos em gênero, número e grau! Yay!


Estava começando a ficar divertido andar pelas ruas de Los Angeles. Sabe aquela corridinha para atravessar a rua quando o sinal está fechado, mas não tem nenhum carro vindo? Então, aqui ninguém faz isso. As ruas são muito bem vigiadas e quem o faz geralmente é multado. 

E os prédios... dificilmente eu vejo algum que eu não moraria. São antigos, A maioria deles tem aquele ar de apartamento industrial, o meu estilo favorito. Janelões, tijolos, teto alto, muito espaço... não se faz mais prédios como antigamente!

Marquei no google maps um destino, um parque. Ele parecia longe e realmente era! As quadras aqui são enormes... fui até o meio do caminho, decidi voltar porque comecei a sentir fome, mas observei algumas coisas que me despertaram a curiosidade:


Esse bar, por exemplo... eu e o Andres sempre passamos em frente e comentamos sobre a nossa curiosidade em entrar. Quem sabe em um próximo post? Nós temos uma lista bem grande de bares para visitar em DTLA.

Mas um que conhecemos e adoramos estava a poucos blocos dali, o Rythym Room. Tem jazz ao vivo aos finais de semana, mesas que também são tabuleiros de xadrez, os mais diversos jogos de tabuleiro, sinuca, pingue-pongue, dardos... mas a galera lá não é de dançar muito. Mas para comer, beber e jogar, é ideal!




Depois de alguns minutos caminhando, cheguei na rua Broadway. Encontrei duas das chamadas "utility boxes" e elas eram um tanto quanto curiosas, tinham desenhos e contavam algumas histórias. Como a Broadway era só passagem, decidi registrar e pesquisar com calma chegando em casa. 

Pois bem, existe um plano de desenvolvimento econômico estratégico de 10 anos (teve início em 2008) para a revitalização desse corredor histórico da Broadway.
Bringing Back Broadway é uma iniciativa do vereador Jose Huizar e essas "utility boxes" somam 21 no total.

O artista é Christian Ceci e as caixas começaram a ser pintadas no ano passado. Cada uma delas tem um pedacinho da história do corredor da Broadway e elas se estendem entre a 1st Street e a 12th Street. 

E eu DU-VI-DO que o Andres sabe disso! Já sei mais de Los Angeles (historicamente falando) do que ele! hehehe


O prédio de Belas Artes de Los Angeles é citado no filme 500 Days Of Summer (500 dias com ela) como o prédio favorito de Tom Hansen, personagem de Joseph Gordon-Levitt. Se eu tivesse me lembrado disso enquanto estava lá, teria tirado foto do prédio, e não só do poste em frente, com algumas informações históricas, mais uma vez.. haha!

Mas posso garantir que, realmente, é uma arquitetura muito bonita, romântica. Numa próxima oportunidade eu juro que fotografo!


Outra curiosidade sobre Downtown é que você vai ouvir sirenes a cada 20 minutos, no mínimo! Não sei se é um exagero meu, mas as pessoas parecem sempre estar em perigo por aí, embora tudo pareça muito calmo.

Por fim, o melhor fato sobre Los Angeles é que eu só saí por aí explorando e fotografando sem medo porque a cidade é muito segura. Aliás, as pessoas por aqui andam com seus telefones e câmeras na mão o tempo todo! E isso, por mais doloroso que soe, é uma coisa que eu tenho medo de me acostumar, sei que teremos um longo caminho para chegarmos a esse ponto em São Paulo ou no Rio de Janeiro, por exemplo.


Resumo da ópera: Faltar café foi um sinal de Deus / do destino / da vida / do cosmos (insira aqui o que você acredita) para eu largar de ser preguiçosa e ir fazer algo realmente empolgante. Pode parecer pouco aos olhos de algumas pessoas... mas como uma boa pessoa otimista, posso dizer que foi uma quebra de várias barreiras. Mal posso esperar para mais!

Ah, caso queira saber mais sobre a revitalização da Broadway, esse é o site oficial. Acho bacana você considerar entender, caso esteja planejando vir pra cá!

Volto em um próximo post com mais novidades, obrigada por ler até aqui!
Te vejo nas outras redes sociais! 

Beijos,
Ana.