17.7.15


Confesso que quando a Ana me convidou para escrever no Bolas de Meia eu surtei por dentro, afinal, adoro o blog dela! Mesmo nunca tendo escrito no blog de outra pessoa, somente no meu, me senti bem confiante, pois o assunto do post é sobre algo que entendo muito, muitíssimo: morar sozinha.
Olá! Eu sou a Ju, sou dona do blog FuckYeahBloggers e nas horas vagas rommie da Ana, heheh.
Faz quase cinco anos que eu estou morando em São Paulo. Gostaria de poder virar e falar que uma hora a saudade de casa se estabiliza e dá até pra esquecer dela, mas não dá.
Credo, esse parágrafo ficou meio pessimista, não é?! Mas vou explicar melhor, porque é uma saudade boa e saudável.

Ao contrário do que acontece com muitas pessoas, nos meus primeiros anos fora das “asas dos meus pais” tudo correu muito bem, eu praticamente não voltava para casa, claro que a saudade sempre aparecia, mas eu esperava aumentar mais um pouquinho pra voltar, só nunca pensei que apertaria tanto como agora, cinco anos depois.

Em momento algum eu me arrependo de ter saído da minha cidade (que no caso é Jales, interior de SP), jamais! Sonho é uma das poucas coisas que conseguem anular sentimentos como o medo e algo que descobri mais tarde: a saudade.

 Meu amor por São Paulo só cresce!

Saí de Jales com 17 anos, fui morar em São Paulo e passei dois anos vivendo com o meu irmão (um grande de um alívio), depois me aventurei nas repúblicas da vida. Mas dei sorte! Estou no mesmo lugar até agora, no caso, o apartamento que vivo com a Ana.

Morar sozinha é um passo na vida que ao meu ver é um tanto quanto complicado. É meio que aquele momento que você decide: sim, preciso criar responsabilidades. Claro que seus pais, na maioria das vezes vão ajudar nas despesas e tudo mais, só que e o resto?! E a roupa passada? Os abraços nas horas difíceis? A falta de mimo naquela gripe horrível que surgiu no meio da semana? Pois é, lá vamos nós para os altos e baixos de morar sozinho.

Tudo tem seu lado bom e seu lado ruim, durante esses quase cinco anos já aprendi muita coisa, agora eu sei fazer uma comida melhor, sei como lavar minhas roupas, como sarar de uma doença chata, pagar contas e até dar informação para estranhos, rs. Morar sozinha é uma experiência única, é redescobrir suas qualidades e defeitos, aprender a lidar com suas fraquezas e comemorar os pequenos passos que você caminhou – sozinho.

Decidir sair da casa dos pais não é algo fácil e eu admiro muito quem consegue, se a maioria dos filhotes de animais só saem de perto por livre e espontânea pressão, imagina nós humanos que o que os pais mais querem é que os filhos fiquem bem protegidos em casa? Pois é!

Estou horrível, mas meus pais definitivamente salvaram a foto, rs

Mas essa tal profissão da vida chamada seguidor de sonhos não é moleza. Se por um lado morar sozinho te traz mais liberdade, aprendizados e independência; a solidão vem numa mescla de saudade e ansiedade.

            Minha cidade fica há mais ou menos 8 horas de viagem de São Paulo, sendo assim, eu acabo visitando a minha terrinha só nos feriados e por esse motivo a barrinha da saudade chega a níveis extremos. E se vocês acham que a rotina corrida da capital ajuda, que nada.

Eu vejo meus pais em todos os lugares. Já senti o mesmo cheirinho do meu pai (porque sim, todas as pessoas têm um cheirinho que não é o de perfume) dentro do ônibus e fiquei imaginando como seria bom se ele estivesse ali, já vi minha mãe em milhares de mulheres que passam por mim com um sorriso amável e desejam bom dia, ou na moça do barzinho do lado de casa que é sempre tão atenciosa. Não sei nem dizer quantas vezes me peguei experimentando roupas que minha mãe adoraria que eu usasse ou sentei em cadeiras confortáveis de lojas por lembrarem a da minha casa. Quando a saudade aperta você faz coisas inimagináveis.

Mas ir para a casa é como reviver minha adolescência só que de uma forma muito melhor, porque agora eu aproveito todos os segundos possíveis que tenho ao lado dos meus pais, coisa que eu não fazia antes. No fim de todo feriado eu entro naquele velho ônibus que me leva em busca dos meus sonhos. Sinto que o aperto do abraço que recebo dos meus pais é tão forte quanto o que levamos dentro do peito, mas quando nossos olhares se cruzam e eu vejo o orgulho que eles têm de mim, sei que fiz a escolha certa.

Meu longo caminho de 8 horas

Se eu pudesse resumir a experiência de morar sozinha, eu diria que é como esta frase: “é bom abrir asas e voar!”. 
            Tem alguém por aqui pronto pra alçar voo? =)

E caso você precise de um estímulo, lá vai! Se eu não tivesse saído de casa, nada disso teria me acontecido:





Marcadores: , ,



comments powered by Disqus







a blogueira


Olá. Eu sou a Ana, tenho 20 anos e acabei de sair de Petrópolis (região serrana do Rio de Janeiro) para viver novas experiências na grande São Paulo. O Bolas de Meia é o meu cantinho onde compartilho um pouco do que sei, vejo, vivo e sinto. Para me conhecer melhor, clique na foto acima ou me encontre nas redes sociais abaixo.





facebook






categorias


instagram


link-me!
Bolas de Meia -
Bolas de Meia -


correio




publicidade

Choies-The latest street fashion
www.lalalilo.com
lalalilo.com
arquivos

















Bolas de Meia - 2011 ~ 2013 ©
Todas as postagens aqui contidas são de autoria da Ana Arantes, exceto quando apontado o contrário. As imagens utilizadas são fruto de reproduções, e se você teve seu conteúdo publicado aqui e deseja que seja retirado, entre em contato em contato@bolasdemeia.com.




Design e codificação por Júlia Duarte.



From scratch, with ♥
Powered by Blogger.
Ícones We ♥ Icon Fonts
Ilustrações: Malena Flores